Livro - O papel do tutor na EaD e atuação no Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem

Site: Moodle EaD IFSC
Curso: Capacitação de Tutores UAB | 2017.2
Livro: Livro - O papel do tutor na EaD e atuação no Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem
Impresso por: Usuário visitante
Data: Wednesday, 17 de August de 2022, 23:32

Descrição

 

4.1 O tutor: um profissional da educação

    ....

Chegamos ao último livro deste curso, neste capítulo temos como objetivo apresentar conteúdos que embasem a compreensão da atuação efetiva da tutoria, para isto trabalharemos as seguintes temáticas:

  • conceitos e definições de tutoria;
  • papéis e funções do tutor presencial e do tutor a distância;
  • competências essenciais para a tutoria na EaD;
  • ambiente virtual de ensino e aprendizagem;
  • ferramentas e atuação do tutor dentro do ambiente virtual.

Nas seções seguintes, abordaremos esses conteúdos com a finalidade de apresentar quem é esse agente denominado tutor no processo de ensino e aprendizagem a distância, para que você, cursista, consiga diferenciar e compreender as ações e as especificidades desse campo de atuação, que é básico e indispensável para a operacionalização de uma oferta de curso a distância.

Desejamos um ótimo estudo neste livro e salientamos a importância do mesmo para sua formação de tutor!

4.1.1 Para começo de conversa, o que significa a palavra tutor?

O tutor é um personagem recente na história da educação brasileira. Institucionalizou-se não só na educação pública como também em instituições de ensino superior privadas e na educação a distância profissional e corporativa (MATTAR, 2012, p. XXI).

Em meio a contextos diversos, torna-se relevante o fato da tutoria se tornar objeto de reflexão nos últimos anos em reconhecimento às necessidades de qualificação, formação pedagógica, monitoramento e avaliação do trabalho (MILL et al., 2010). Tanto isso é verdade que optamos pela realização desta formação e vamos discutir, a seguir, em detalhes, alguns aspectos essenciais da tutoria na EaD.

Tutor (do latim tutor, oris) é um termo do direito romano atribuído àquele que se encarregava de cuidar de um incapaz (como um órfão, por exemplo). Em português, a palavra já era usada no século XIII e tinha o significado de guarda, protetor, defensor, curador. Significa também aquele que mantém outras pessoas sob sua vista, que olha, examina, observa e considera; é o que tem a função de amparar, proteger e defender, é o guardião (BOTTI et al., 2008). No âmbito jurídico, diz-se que o tutor é aquele que é nomeado por um juiz para tomar decisões em nome de uma pessoa que é considerada incapaz de fazê-lo por si própria (MATTAR, 2012).

SAIBA MAIS

O texto de Sérgio Botti e Sérgio Rego, cujo título é  Preceptor, Supervisor, Tutor e Mentor: Quais são Seus Papéis?, é uma boa dica para saber mais sobre o significado desses e de outros termos relacionados.

Contudo, as definições acima não se aplicam aos profissionais que atuam no cenário educacional. No âmbito da educação, de modo geral, o tutor pode significar um professor para pequenos grupos, que presta atenção especial a esses estudantes; ou, ainda, um professor para aprendizes adultos. Nas literaturas americana e europeia, é considerado um guia, um facilitador que auxilia no processo de ensino do professor e de aprendizagem do aluno.

É importante pontuar que as funções didáticas da tutoria podem diferir segundo as definições dos papéis atribuídos pelas instituições, bem como a concepção pedagógica do curso (LITTO; FORMIGA, 2009). Dessa forma, em consonância com o modelo pedagógico e também com a cultura organizacional de cada instituição, cada organização desenvolve, paulatinamente e considerando suas particularidades, o modo de funcionamento e os papéis da tutoria.

Embora haja muito espaço para a criação de diferentes sistemas de tutoria, alguns movimentos já foram feitos no sentido de procurar estabelecer diretrizes voltadas especificamente a esse profissional, mas no momento é importante conhecermos a definição do tutor e qual o seu real papel dentro dos cursos na modalidade EaD, no tópico a seguir vamos segui o estudo.

Vamos em frente?

4.1.2 Conceitos e definições de tutoria nas políticas para EaD

Chegamos no momento de apresentar a definição de tutoria, ou seja, o papel exercido pelos tutores dentro dos cursos na modalidade EaD.  Precisamos aqui entender claramente o que o tutor deve fazer e qual sua importância no processo educativo.  Para ajudar nesta definição vamos contar com os estudiosos da área, eles já possuem estas prerrogativas, como é o caso de Nunes (2014), que cita:

Os tutores são mediadores do processo de aprendizagem dos alunos e são fundamentais para criar situações que favoreçam à construção do conhecimento. A boa atuação de um tutor pode ser um impulsionador para um aluno desmotivado e fundamental para todos que buscam atingir seus objetivos no curso, mas se deparam com certas dificuldades. Por outro lado, um tutor que não cumpre com o seu papel a contento pode deixar muitos alunos sem o atendimento necessário e causar um clima de insatisfação ou abandono. (NUNES, 2014, p.1).

Seguindo o momento de definição temos a colocação de outros estudiosos, veja a seguir:

A tutoria pode ser entendida como uma ação orientadora global, chave para articular a instrução e o educativo. O sistema tutorial compreende, desta forma, um conjunto de ações educativas que contribuem para desenvolver e potencializar as capacidades básicas dos alunos, orientando-os a obterem crescimento intelectual e autonomia, e para ajudá-los a tomar decisões em vista de seus desempenhos e suas circunstâncias de participação como aluno. (SOUZA, at all, 2004, p.2)

Com a observação das citações pode-se entender o alto nível de importância dos tutores para o bom desempenho dos estudantes e do sucesso de cursos, por isto reforçamos o papel de mediação que deve ser exercido com afinco. Neste cenário de mediação e comunicação é importante que em suas atividades o tutor: ouça, compreenda a dúvida, responda, motive e faça a mediação das necessidades do estudante e da instituição, se preciso, reunindo a equipe e realinhando metas, auxiliando nas decisões e assegurando que a aprendizagem seja efetiva e significativa.

Assim, entre diversos elementos importantes na EaD, a figura do tutor emerge como essencial, à medida que é ele que estabelece todo um relacionamento com o cursista, tendo um papel fundamental na permanência deste no curso. A evasão é um aspecto extremamente indesejável em qualquer processo educativo e se constitui uma grande preocupação na EaD. Cabe então ao tutor usar estratégias para animação, estímulo, formação de vínculos no grupo que acompanha, para que este alcance os objetivos de aprendizagem propostos no curso (OLIVEIRA, LIMA, 2009, p. 8).

Além das responsabilidades já citadas, Aretio (2002) coloca que o tutor deve possuir ainda algumas qualidades, tais como: autenticidade, honradez, maturidade emocional, bom caráter e cordialidade, compreensão de si mesmo, capacidade empática, inteligência e agilidade mental, capacidade de escutar, cultura social, estabilidade emocional, capacidade de aceitação, inquietude cultural e amplos interesses, liderança, etc.

A atuação da tutoria é tida como elemento de preocupação na avaliação da qualidade de cursos desta modalidade. Tanto que muitas diretrizes do trabalho a ser realizado estão também citados nos documentos de referencial de qualidade. Conforme citado no documento do Ministério da Educação, Clique aqui e acesse o trecho específico referente a tutoria.

Apresentamos agora três documentos mostram um pouco do fortalecimento da função da tutoria dentro das políticas públicas e os programas criados pelo governo federal, veja o quadro a seguir:

Ocorrência na história

Descrição

[2006]

Universidade aberta do Brasil 

No Brasil, a tutoria em EaD ganhou força no contexto educacional com a expansão da educação a distância e, em especial com a UAB, programa do governo federal já citado anteriormente. Entre os métodos e metodologias implementados e consolidados pelo Sistema UAB, aparece a figura do tutor como um agente envolvido na atuação docente. Neste programa se destaca que a seleção devem estabelecer as especificidades das atividades a serem desenvolvidas para a execução dos Projetos Pedagógicos de seus cursos, de acordo com as particularidades das áreas e de seu contexto local.

[2007]

Referenciais de qualidade para EaD

De acordo com os Referenciais de Qualidade para a Educação Superior a Distância (MEC, 2007), o corpo de tutores desempenha “papel de fundamental importância no processo educacional de cursos superiores a distância e compõe quadro diferenciado no interior das instituições” A além disso, o tutor “deve ser compreendido como um dos sujeitos que participa ativamente da prática pedagógica” (BRASIL, 2007, p. 21).

[2015]

Parecer do CNE/CES nº 564/2015

O parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) publicado em março de 2016, que dispõe sobre as Diretrizes e Normas Nacionais para a oferta de Programas e Cursos de Educação Superior na Modalidade a Distância, apresenta e oficializa a figura do tutor, destacando-o como um profissional da educação superior integrante da equipe docente.

Enfim, percebe-se que a função da tutoria tem peso, exige responsabilidade e dedicação dos profissionais atuantes e devido a sua importância está amparada nos documentos que regem a qualidade na EaD.

Neste tópico observamos no documento referencial de qualidade do MEC que existem duas opções de trabalho, a tutoria presencia a distância.  Nossa próxima meta no curso é entender as duas opões e conhecer as funções específicas de cada uma delas, então os próximos tópicos tratam deste assunto, acesse e confira o detalhamento.

Boa continuação de estudo!

4.1.3 Papéis e funções da tutoria

Dando continuidade ao estudo, resgatamos a colocação feita no documento de referencial de qualidade do MEC, onde temos: O tutor deve ser compreendido como um dos sujeitos que participa ativamente da prática pedagógica. Suas atividades desenvolvidas a distância e/ou presencialmente devem contribuir para o desenvolvimento dos processos de ensino e de aprendizagem e para o acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico.

Nosso foco neste curso está em preparar você estudante para atuar na tutoria, desta forma se faz necessário apontar detalhamentos, características e formas de pensar na atuação. Para isto, vamos disponibilizar a seguir um link com um rico material produzido pelas autoras Andrea Velloso, Denise Lannes e Solange Barros, que trabalharam o artigo: O papel do tutor na EaD...Tutoria a distância: diferentes funções, diferentes competências da UFRJ em 2013. Material este que selecionamos trechos de maior importância. Clique aqui e confira com muita atenção!

Leu com atenção o material disponibilizado? Só siga em frente depois desta leitura.

Nas instituições de EaD é possível que os sistemas de EaD das instituições de ensino apliquem a função de Tutor Presencial que é o tutor que se situa no pólo/Nead, em local geograficamente próximo ao estudante. Ou usem a figura do Tutor a Distância, neste caso o tutor fica geograficamente situado na instituição ofertante do curso. 

É importante ressaltar que não existe uma regra fixa de utilização da tutoria, de acordo com a proposta do curso, pode-ser ter as duas tutorias presencia e a distância, ou somente uma delas. Sendo definida de acordo com as estratégias do curso ministrado.

Tendo feito as considerações iniciais para o entendimento da aplicação das tutorias, vamos agora visualizar as diversas funções dos tutores, sistematizamos, no quadro a seguir  confira com atenção. 

FUNÇÕES SIMILARES — TUTORES PRESENCIAIS E A DISTÂNCIA

Participar das atividades de capacitação e atualização promovidas pela instituição de ensino.

Conhecer o projeto pedagógico do curso, o material didático e o conteúdo específico dos conteúdos sob sua responsabilidade, a fim de auxiliar os estudantes no desenvolvimento de suas atividades individuais e em grupo.

Apoiar o professor da disciplina no desenvolvimento das atividades docentes.

Mediar a comunicação de conteúdos entre o professor e os estudantes, acompanhando as atividades discentes, conforme o cronograma do curso.

Comunicar-se, de forma permanente, com os estudantes, os professores e os gestores pedagógicos.

Elaborar relatórios mensais de acompanhamento dos alunos e encaminhar à coordenação de tutor

Colaborar com a coordenação do curso na avaliação dos estudantes.

 

FUNÇÕES ESPECÍFICAS

TUTORES PRESENCIAIS

FUNÇÕES ESPECÍFICAS

TUTORES A DISTÂNCIA

Atuar no polo de apoio presencial, mediando o processo pedagógico presencialmente junto aos estudantes.

Atuar a partir da instituição, mediando o processo pedagógico junto a estudantes geograficamente distantes.

Apoiar operacionalmente a coordenação do curso e a equipe docente (professores e tutores a distância) nas atividades presenciais nos polos.

Esclarecimento de dúvidas — através de fóruns de discussão do Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem, pelo telefone ou qualquer outro recurso interativo disponibilizado pela instituição.

Atender e esclarecer dúvidas dos estudantes (sejam elas administrativas, de conteúdo ou relacionadas ao uso da tecnologia) nos polos, em horários preestabelecidos.

Manter regularidade de acesso ao Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem e responder às solicitações dos alunos no prazo máximo de 24 horas.

Promover espaços de construção coletiva de conhecimento, entre os estudantes, no polo de apoio presencial.

Promover espaços de construção coletiva de conhecimento, entre os estudantes, via Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem.

Participar de momentos presenciais obrigatórios, tais como aplicação de avaliações, realização de aulas práticas em laboratórios, estágios supervisionados, apresentação de trabalhos, realização de seminários etc.

Selecionar material de apoio e sustentação teórica aos conteúdos.

Participar dos processos avaliativos de ensino-aprendizagem, junto com os docentes.

Fomentar o hábito da pesquisa e acompanhar os estudantes presencialmente nos processos formativos.

Fomentar a pesquisa e acompanhar os estudantes nos processos formativos, incluindo o de uso das tecnologias potencializadas em ambientes virtuais multimídias e interativos disponíveis.

Ao analisar as funções descritas, é possível inferir que são indispensáveis algumas competências básicas para a realização das mesmas. Tais competências estão descritas nos tópicos a seguir, considerando as especificidades do tutor presencial e do tutor a distância.

Vamos conferir?

4.1.4 Competências do tutor presencial

Os autores Moore e Kearsley, no livro “Educação a Distância: sistemas de aprendizagem online” (2013), discorrem que os tutores presenciais, denominados de responsáveis locais por eles, devem ser competentes o suficiente para congregar saberes técnicos, administrativos e instrucionais aliados a uma certa experiência com a função e com os processos de mediação necessários (p. 193-195). Veja a seguir.

Competências técnicas

Ter competência técnica significa ser capaz de instalar sozinho a tecnologia ou discutir e supervisionar a instalação. Para a maioria das tecnologias utilizadas em cursos EaD, não haverá técnicos imediatamente disponíveis durante o tempo real de instrução e, portanto, será o responsável local que deverá disponibilizar a tecnologia, testá-la e operá-la durante a sessão. Ele precisa ter conhecimento técnico suficiente para reconhecer falhas potenciais que possam ocorrer durante o curso ou em determinada sessão do curso e ser capaz de tomar medidas corretivas apropriadas. Trata-se de uma competência muito importante, pois uma falha técnica inesperada e não corrigida pode resultar em uma sessão interrompida e na consequente perda de confiança dos alunos – algo difícil de ser reconquistado. Geralmente, a maior parte dos problemas desse tipo são originados por questões simples e insignificantes, como uma conexão de cabo desligada, que poderia facilmente ser resolvida por alguém com um mínimo de competência técnica para a função.

Competências administrativas

Entre as competências administrativas mais importantes, estão a recepção eficiente de materiais e sua distribuição aos estudantes e a manutenção de registros, de forma a manter sempre uma comunicação atualizada com a instituição de origem.

Competências instrucionais

Será muito vantajoso para a instituição e para os alunos se o tutor local for competente em termos do conteúdo que é ensinado no curso. Isso ajudará na interpretação das explicações do professor e das perguntas dos estudantes.

Experiência

Embora cada grupo de estudantes seja formado por indivíduos diferentes, seus problemas geralmente são parecidos com aqueles de grupos anteriores. Um tutor experiente, com base em sua experiência prévia, pode conhecer esses problemas e explicá-los ao professor ou, ainda, imediatamente resolvê-los, sem precisar do instrutor. Dessa forma, se ele tiver desenvolvido de modo suficiente suas competências técnicas, administrativas e instrucionais, possuirá um bom controle do que acontece no local de ensino (no polo de apoio presencial). Os estudantes percebem isso, geralmente, de modo positivo, o que transmite credibilidade ao curso ou programa ofertado, aumenta a satisfação dos envolvidos e diminui os índices de desistência.

Mediação na comunicação

O tutor presencial tem de ser alguém que se importa com a tranquilidade e o bem-estar dos alunos e que é capaz de comunicar essa preocupação. Essa mediação na comunicação pode ser realizada de diferentes formas: cumprimentando sempre os estudantes na chegada e na saída; assegurando que todos tenham liberdade de participar das discussões; dialogando reservadamente com qualquer pessoa que tenha se saído mal durante uma apresentação oral, uma avaliação ou uma atividade de qualquer ordem; verbalizando apreciação, aprovação ou congratulações pelos sucessos dos estudantes; observando o comportamento do grupo de estudantes de modo a perceber estudantes desmotivados ou com algum tipo de problema.

Para refletir

Você conhece algum polo presencial de algum curso de EaD? Se sim, quais você acha que são as competências técnicas, administrativas e instrucionais do(s) tutor(es) desse polo?

Após a reflexão vamos passar ao estudo das Competências do tutor a distância, confira!

4.1.5 Competências do tutor a distância

A principal diferença entre o tutor presencial e o tutor a distância está representada pela própria denominação dada a cada um. Embora ambos atuem na importante função de mediação entre alunos, professores e instituição, o tutor presencial atua no polo de apoio presencial e o tutor a distância é aquele que atua, geralmente, na sede da instituição que oferece o curso ou programa, interagindo com os estudantes a distância, normalmente através do ambiente virtual de ensino-aprendizagem, ou seja, virtualmente, o que lhe possibilita uma outra nomenclatura - tutor virtual. Essa característica que os diferencia é o que determina que os tutores a distância tenham responsabilidades e papéis diferenciados dos tutores presenciais.

O tutor a distância desempenha diferentes papéis simultaneamente, de acordo com Mattar (2012). Contudo, seu principal papel é acompanhar o aprendizado dos alunos a distância. Para desempenhar esse papel com qualidade, os tutores a distância também devem congregar algumas competências essenciais. A tabela abaixo, adaptada de Lenzi (2014) e Aretio (2002), descreve em que consiste cada uma dessas competências. 

Competências na orientação

As funções de orientação envolvem a supervisão e o acompanhamento do aluno, de forma que ele possa adotar as alternativas disponibilizadas pela instituição de modo satisfatório para o seu processo de aprendizagem.

Competências institucionais e administrativas

As funções institucionais e de conexão aludem à própria formação do tutor, à ligação que ele estabelece entre aluno e instituição e às questões burocráticas e institucionais.

Competências acadêmicas

Na função acadêmica, os tutores a distância devem ser selecionados e capacitados para promover e facilitar a aprendizagem do aluno, mas de forma distinta de um professor tradicional, pois o tutor deve encontrar um meio de ajudar e reforçar o processo de autoaprendizagem, evitando a relação de dependência que ocorre quando só há transmissão da informação por parte do tutor.

Soma-se a tais competências a necessidade de se ter familiaridade com a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), como as plataformas que suportam os Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAs) – recurso mais utilizado como forma de promover a interação entre alunos e equipe docente pelas instituições que promovem EAD no nosso país atualmente (ABED, 2015, p.09).

Aqui encerramos o estudo das funções e competências da tutoria, no próximo tópico disponibilizamos dicas de leitura que podem incrementar seu conhecimento, Confira!

E dando continuidade ao estudo, o próximo assunto de estudo será voltado aos Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAs), é importante entender o funcionamento do ambiente e conhecer as ferramentas necessárias para atuação na tutoria.

Vamos em frente!

4.1.6 Dicas de leitura sobre tutoria na EaD

Os materiais indicados abaixo podem aprofundar seu conhecimento sobre os conceitos que envolvem a tutoria e as suas funções na EaD. Clique nos títulos e saiba mais sobre as obras.

Tutoria e interação em Educação a Distância

A obra aborda a atuação do tutor como docente e, simultaneamente, oferece subsídios para o trabalho do professor em EaD. 

Referência:

MATTAR, João. Tutoria e interação em educação a distância. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

O desafio de uma interação de qualidade na Educação a Distância: o tutor e sua importância nesse processo

Artigo que tem como objetivo discutir a importância do sistema de tutoria virtual no processo de ensino-aprendizagem da educação a distância (EaD), buscando refletir sobre as condições de trabalho do docente-tutor e compreender as características e especificidades do seu campo de atuação.

Referência:

MILL, Daniel; ABREU-E-LIMA, Denise; LIMA, Valéria Sperduti; TANCREDI, Regina Maria Simões Puccinelli. O desafio de uma interação de qualidade na Educação a Distância: o tutor e sua importância nesse processo. Cadernos da Pedagogia, ano 02, volume 02, número 04, agosto/dezembro, 2008. 

Ensinar com as tecnologias de informação e comunicação: retratos da docência

O estudo apresenta e analisa os resultados de uma pesquisa realizada com professores e tutores de cursos de licenciatura a distância, com o objetivo de identificar as representações e formas de compreensão sobre o papel docente na modalidade EaD. 

Referência:

SCHILLER, Jéssica; LAPA, Andrea Brandão; CERNY, Roseli Zen. Ensinar com as tecnologias de informação e comunicação: retratos da docência. Revista e-curriculum, São Paulo, v.7 n.1 Abril/2011. 

4.2 Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem

Vamos agora iniciar o estudo para entender o que são e qual a função dos Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem.

Quando pensamos no desenvolvimento do trabalho docente, a sala de aula normalmente constitui o local de encontro entre o professor e os alunos no ensino presencial. No entanto, com as novas tecnologias da informação e comunicação, outras possibilidades interativas estão se constituindo como relevantes instrumentos para organização do trabalho docente. A incorporação de novas tecnologias computacionais de comunicação possibilitou o desenvolvimento de sistemas digitais que integram conjuntos de programas e funcionalidades em uma sofisticada arquitetura computacional que possibilitou que plataformas educacionais hospedem e gerenciem o processo de ensino e aprendizagem realizado virtualmente (FILATRO, 2008).

Tais sistemas ou plataformas, capazes de gerenciar a aprendizagem e também aspectos administrativos e tecnológicos a ela relacionados, são denominados Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAs) ou somente Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs). A nomenclatura reflete o conceito de “sala de aula online”, em que “a ideia de sistema eletrônico está presente mas é extrapolada pelo entendimento de que a educação não se faz sem ação e interação entre as pessoas” (FILATRO, 2008, p. 120).

De forma semelhante às salas de aula presenciais, os ambientes virtuais de ensino e aprendizagem funcionam como o local onde se realizam as ações educacionais. Eles permitem a publicação, o armazenamento e a distribuição de materiais didáticos, assim como a comunicação entre alunos e equipe de suporte (FILATRO, 2008, p. 120).

Os AVEAs podem ser utilizados em qualquer âmbito educacional, seja a distância ou em atividades presenciais, possibilitando aumentar as interações para além da sala de aula; encontros presenciais e atividades a distância ou mesmo oferecendo suporte para a comunicação e troca de informações e interação entre os participantes (RIBEIRO et al., 2007, p. 04).

A importância destes ambientes como ferramenta para trocas de informações, comunicação, interação, disponibilização de material de estudo e como apoio na educação a distância (RIBEIRO, 2007, p. 03) é tão relevante que os AVEAs são, reconhecidamente, a ferramenta mais utilizada na EaD entre os recursos educacionais disponíveis — tanto para o compartilhamento de conteúdos quanto para a comunicação com os estudantes (ABED, 2015).

Os AVEAs podem ser gratuitos (geralmente criados como software livre, disponíveis para a construção colaborativa), privados (quando são desenvolvidos por uma empresa ou organização específica e posteriormente são “alugados” para as instituições utilizarem) ou ainda podem ser desenvolvidos pelas próprias instituições (ABED, 2014).

Veja quais são os AVEAs mais comuns utilizados em âmbito nacional atualmente.

No próximo tópico vamos estudar sobre as atribuições do tutor dentro dos AVEAs.

Siga em frente!

4.2.1 O tutor a distância e o AVEA

No decorrer da apresentação do conteúdos foram apresentados detalhes a atuação do tutor como mediador, motivador e facilitador do processo de ensino e aprendizagem, assim como foi mostrado as tarefas a serem desenvolvidas nas tutorias presencial e a distância.

Agora vamos apresentar as ferramentas incorporadas ou embutidas dentro dos AVEAs que permitem a realização do trabalhos. O tutor a distância, para cumprir as suas atribuições de mediação e comunicação, utiliza diferentes ferramentas dentro do Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem, na imagem a seguir pode-se observar na imagem uma lista de atividades disponíveis no ambiente, mas para nosso estudo vamos focar nas mais utilizadas no trabalho da tutoria, confira a seguir:


  • os fóruns, os chats e as mensagens individuais – geralmente utilizadas para a comunicação entre equipe docente e estudantes;

  • os questionários e a ferramenta envio tarefa – adotadas para os processos avaliativos;

  • os wikis e os glossários – utilizadas para processos de construção colaborativa de conteúdos;

  • os livros, os links para conteúdos externos e para arquivos de diversos tipos – muito comuns como forma de instrução e de acesso ao conteúdo a ser estudado e aprendido;

  • as pesquisas de avaliação – adotadas para a pesquisa de opinião e recolha de feedback do processo de ensino e aprendizagem adotado.

Como essas são as ferramentas mas utilizadas no desenvolvimento do trabalho de tutoria, torna-se importante um descritivo da ferramenta e das indicações de uso da mesmas. Para ver o detalhamento de cada uma das ferramentas Clique aqui.

Além de serem classificadas por funções, as ferramentas dos AVEAs são também categorizadas em recursos síncronos, que são aqueles que permitem a comunicação em tempo real, como o chat, e recursos assíncronos, pelos quais a mensagem emitida por uma pessoa é recebida e respondida mais tarde pelas outras, de modo que não há necessidade de elas estarem conectadas ao mesmo tempo para interagir, como acontece nos fóruns de discussão online (FILATRO, 2008).

A escolha de quais ferramentas devem ser utilizadas para a interação com o estudantes é realizada no planejamento do curso; assim, o tutor não decide quais utilizará, pois emprega as que estão previstas no escopo do Projeto Político Pedagógico. Dessa forma, o tutor precisa ter conhecimento das ferramentas existentes e saber aplica-las da melhor forma possível, buscando facilitar a interação e comunicação no processo de ensino e aprendizagem.

No IFSC, adotamos como plataforma, para a execução de tais atividades, o Moodle (Modular Object–Oriented Dynamic Learning Environment), é um software livre e gratuito mais utilizado pelas Instituições de Ensino Superior do Brasil que oferecem cursos a distância (PAVEZI et. al. 2011).  O conhecimento mais específico deste sistema que dá suporte a aplicação dos cursos virtuais do IFSC, é o assnto do próximo tema a ser estudado.

Boa continuação!

4.2.2 A plataforma Moodle

Chegou a hora de conhecer um pouco mais uma das plataformas de Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem (AVEA) mais adotadas para a execução de cursos e programas de EaD no Brasil: o Moodle. Você também conhecerá os recursos síncronos e assíncronos mais utilizados pela tutoria nessa modalidade de ensino.

O AVEA Moodle, geralmente, já vem com um conjunto de funções pré-configuradas, apresentando funções de Administrador, Criador de Cursos, Professor (editor), Moderador (não editor), Aluno e Visitante. O usuário é registrado para cada uma dessas funções, conforme seu perfil. O acesso é dado com um conjunto de permissões pré-configuradas, mas que podem ser editadas e modificadas para melhor atender as particularidades de cada projeto.

Se quiser conhecer mais o Moodle e seus recursos, consulte os sites disponibilizados a seguir:

Site oficial do Moodle.Org

Nesse site, você poderá conhecer mais sobre o Projeto Moodle e a comunidade Moodle, tendo a oportunidade de entrar em contato com uma das maiores comunidades mundiais que, em conjunto, esforça-se para desenvolver uma plataforma de aprendizagem colaborativa, aberta e cada vez melhor. Nesse site, você encontra documentos, arquivos para download, espaços para testar versões do moodle (como professor, como aluno, como administrador etc.) e também para registrar dúvidas, problemas ou novas ideias para contribuir com os desenvolvedores.

MOODLEDOCS - Documentação para professores no Moodle.Org 

Nesse endereço, você encontra uma lista de perguntas gerais de muitos educadores sobre o Moodle e também uma lista de “FAQ – Perguntas frequentes” sobre ferramentas específicas da plataforma. Os textos estão todos em inglês.

MOODLEDEMO – Experimente versões do moodle 

Nesse endereço, você pode experimentar a última versão do Moodle e acessar cursos e salas virtuais, com a possibilidade de editá-las e criar recursos e atividades. Cada site de demonstração fica disponível para edição por períodos de uma hora. Assim, de hora em hora, o ambiente é automaticamente atualizado para uma nova sessão em branco, independentemente das edições que você tiver feito ao longo da última hora. Os desenvolvedores lembram que, como muitas pessoas podem estar editando ao mesmo tempo, há possibilidade de ocorrerem erros de configuração.

MoodleMoot Brasil

O MoodleMoot é uma conferência realizada em vários países do mundo, dedicada aos usuários, desenvolvedores e administradores do Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem Moodle. Com a sua 10º edição sendo realizada no Brasil, o Moodle e sua comunidade de desenvolvedores consolidam-se em mais de 235 países em todo o mundo, em um total de 64.500 sites, sendo mais de 4.318 somente no Brasil.

Para o sucesso dos cursos oferecidos na modalidade a distância, é imprescindível planejar e produzir o ambiente virtual de ensino e aprendizagem antes das aulas iniciarem e realizar a mediação durante todo o desenvolvimento do curso. Para essa mediação, algumas estratégias pedagógicas são comumente adotadas e aplicadas através do uso das ferramentas disponíveis nas salas de aula virtuais. Tais ferramentas podem ser divididas em diferentes classificações, mas a própria plataforma Moodle as categoriza em “atividades” ou “recursos”, como veremos a seguir.

Vamos lá?

4.2.3 Ferramentas e atividades do Moodle

Neste tópico você irá aprofundar mais os conhecimentos sobre as ferramentas oferecidas pelo Moodle, além disto, poderá observar a aplicação da ferramenta a atividade da tutoria. Por fim poderá acessar um tutorial de uso do Moodle.

Considerando a divisão das ferramentas do Moodle em “atividades” ou “recursos”, no quadro abaixo, apresentamos algumas das mais utilizadas e que geralmente são adotadas em intervenções didáticas virtuais. Diferenciamos cada item pelos momentos nos quais eles podem ser adotados e acrescentamos a sua respectiva descrição, veja esta organização a seguir:

Ferramentas Atividades

Geralmente utilizada para...

Nome da ferramenta

Descrição

Comunicação entre equipe docente e estudantes

Chat

Permite que os participantes possam conversar em tempo real.

Fórum

Permite que participantes tenham discussões assíncronas, ou seja, discussões que acontecem durante um longo período de tempo.

Processos avaliativos

Questionário

Permite ao professor criar e configurar testes de múltipla escolha, verdadeiro ou falso, correspondência e outros tipos de perguntas. Cada tentativa é corrigida automaticamente e o professor pode optar por fornecer feedback e / ou mostrar as respostas corretas.

Tarefa

Permite que um professor crie orientações para uma tarefa, recolha o trabalho e forneça notas e comentários.

Processos de construção colaborativa de conteúdos

Wiki

Permite aos participantes adicionar e editar uma coleção de páginas da web. Um wiki pode ser colaborativo, com todos podendo editá-lo, ou individual, onde cada um tem seu próprio wiki que só eles podem editar.

Glossário

Permite que os membros de um fórum criem e mantenham uma lista de termos ou definições, como um dicionário.

Processos avaliativos

Enquete

Permite que você construa pesquisas usando diversos tipos de questões, com o objetivo de coletar dados dos usuários.

Pesquisa de avaliação

Fornece uma série de instrumentos de inquérito validados que têm sido úteis para aferir e estimular a aprendizagem em ambientes on-line.

Ferramentas Recursos

Geralmente utilizada para...

Nome da ferramenta

Descrição

Instrução, orientações e para o acesso ao conteúdo a ser estudado e aprendido 

Arquivo

Permite que um professor disponibilize um arquivo como um recurso do curso. Sempre que possível, o arquivo será exibido na interface do curso, caso contrário, os alunos serão solicitados a fazer o download.

Livro

Permite que professores criem um recurso com diversas páginas em formato de livro, com capítulos e sub-capítulos.

 Página

Habilita que uma página web seja exibida e editada em um curso.

Rótulo

Permite que texto e imagens possam ser inseridos no meio dos links de atividades na página do curso. Rótulos são muito versáteis e podem ajudar a melhorar a aparência de um curso caso utilizado sabiamente.

URL

Permite que um professor disponibilize um link de web como um recurso curso. Tudo o que está online disponível gratuitamente, tais como documentos ou imagens, pode ser ligado a URL.

Ao visualizar os quadros das atividades e recursos do Moodle, juntamente com sua proposta de uso é possível pensar em como utilizar as ferramentas do ambiente na atividade de tutoria. Agora é preciso conhecer o passo a passo da utilização das ferramentas.

....

Tutorial de uso das ferramentas

Para dar base de conhecimento do passo a passo da utilização do Moodle, disponibilizamos um tutorial desenvolvido no IFSC para um curso técnico de informática.

Clique aqui para acessar o tutorial completo de uso das ferramentas do Moodle.


Para a preparação de atuação na tutoria é importante conhecer e exercitar a prática de utilizar esses recursos no Moodle. Com o intuito de oferecer esta possibilidade teremos neste capítulo atividades práticas em uma "Sala de Prática", a qual você terá acesso e poderá realizar edições orientadas pela equipe docente.

Antes de colocar a mão na massa, veja na sequencia a indicação de leituras sobre o tema que acabamos de estudar.

4.2.4 Dicas de leitura sobre o Moodle

Para conhecer mais a plataforma Moodle e a forma como ela é compreendida no campo da EaD, acesse o material disponibilizado a seguir. Leia os comentários e as orientações sobre cada um e aprofunde seus conhecimentos sobre o Moodle e as funções de tutoria. Você pode aprender muito com essas leituras sugeridas!


Análise das dimensões afetivas do tutor em turmas de EaD no Ambiente Virtual Moodle

Esse artigo apresenta o papel do tutor desenvolvido na Educação a Distância. Analisa e define as principais funções e os fatores afetivos que podem ser detectados no processo de tutoria e como é possível melhorar e influenciar o processo de ensino e aprendizagem. Apesar de ser um artigo técnico, com alguns conteúdos voltados a área da informática, é um conteúdo especialmente interessante porque relaciona as questões de afetividade estudadas ao longo do nosso curso com as ferramentas disponíveis no Moodle. Vale a pena a leitura, especialmente a parte sobre a “Proposta Apresentada” (tópico 04 do artigo).


Fluência tecnológica na prática de tutores no moodle

Artigo que tem como objetivo discutir a importância do sistema de tutoria virtual no processo de ensino-aprendizagem da educação a distância (EaD), buscando refletir sobre as condições de trabalho do docente-tutor e compreender as características e especificidades do seu campo de atuação.


O uso das ferramentas do ambiente virtual de aprendizagem pelos acadêmicos dos cursos de administração e processos gerenciais do NEAD-CESUMAR

Esse artigo, apesar de ter como contexto a educação a distância do Centro Universitário de Maringá (CESUMAR), é relevante para o nosso curso porque apresenta uma avaliação da utilização das ferramentas do ambiente virtual de aprendizagem Moodle pelos acadêmicos. O trabalho foi desenvolvido através de referencial teórico, bem como da coleta de dados mediante a utilização de questionários aplicados aos acadêmicos dos cursos de Administração e Processos Gerenciais da citada universidade. A leitura é valida especialmente pelos resultados obtidos e pelas conclusões expostas.


A importância dos ambientes virtuais de aprendizagem na busca de novos domínios da EaD

Esse estudo tem como principal objetivo apresentar a importância de um ambiente virtual de aprendizagem no processo de educação a distância (EAD). Trata-se de uma pesquisa de cunho exploratório e bibliográfico que é consistente especialmente no âmbito teórico e, por isso, é pertinente ao nosso curso.


Oficina de Moodle Online – Projeto de Formação de Professores para a docência online

A Equipe da Universidade Federal da Bahia disponibilizou para acesso público uma oficina de Moodle online. Essa oficina foi desenvolvida em 2007 e utiliza o próprio moodle (em uma versão mais antiga) como suporte para a realização da mesma, em um formato similar ao que estamos realizando em nosso curso agora. Todo o conteúdo e recursos da oficina estão disponíveis para qualquer pessoa explorar. Como indicação, fica a sugestão do acesso ao livro digital sobre ambientes virtuais de aprendizagem, com conteúdos específicos sobre essa temática.


Após todas essas dicas.. preparado para colocar em prática tudo que estudamos no curso?! Vamos juntos!

Considerações Finais

Este foi o ultimo livro de estudo neste curso, abordou com mais enfase o trabalho efetivo do tutor. Entre os assuntos trabalhados estão conceitos de definições de tutoria, papéis e competências do tutor presencial e a distância, ainda Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem com suas ferramentas de interação e acompanhamento.

Por fim, convém destacar que as organizações de EaD e todos os agentes envolvidos nessa modalidade de ensino devem cuidar muito bem de seus tutores, o que inclui remunerá-los bem. Afinal, é essencial a continuidade do trabalho desses profissionais, de modo que desempenhem bem seu papel e acumulem experiência, tornando-se, por conseguinte, cada mais competentes nos seus campos de atuação. Diversas são as razões pelas quais essa continuidade é importante. A principal delas refere-se ao fato de que, geralmente, o tutor é um dos principais representantes de uma instituição que oferece EAD que estão fisicamente ou virtualmente em contato direto com os discentes, seja no local de oferta ou por meio de tecnologias. Cabe a eles, portanto, mais que aos outros, a função de desenvolver uma relação de trabalho eficaz entre a organização, seus professores e a comunidade local.

Esperamos que o conteúdo tenha ofertado novos conhecimentos e contribuído para sua capacitação.

Referências

ABED – Associação Brasileira de Educação a Distância. Censo EAD.BR: Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil 2014. Curitiba: Ibpex, 2015.

ALVES, L. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e A Distância, São Paulo, v. 10, n. 01, p.83-92, 01 jan. 2011. Anual. Disponível em:<http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2011/Artigo_07.pdf>. Acesso em: 07 fev. 2014.

ARETIO, Lorenzo Garcia. La educación a distancia: de la teoría a la práctica. Barcelona: Ariel, 2002.

BARRETO, Raquel G. (Org.) Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. R. J.: Quartet, 2001

BOTTI, Sérgio Henrique de Oliveira; REGO, Sérgio. Preceptor, Supervisor, Tutor e Mentor: Quais são Seus Papéis? Revista Brasileira de Educação Médica, nº 32, v. 3, p. 363–373; 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbem/v32n3/v32n3a11.pdf>. Acesso em 21 mar. 2016.

BRASIL, Ministério da Educação. Instrumento de Avaliação de Cursos Presenciais e a Distância. Brasília, maio 2012.

BRASIL. DECRETO 5622/05, de 19/12/2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2005.

BRASIL. Decreto n. 5.773, de 9 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5773.htm> Acesso em: 25 junho 2014.

BRASIL. Decreto Nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm> Acesso em:25 junho 2014.

BRASIL. Decreto no 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/dec_5622.pdf. Último acesso em 25 de junho de 2014.

BRASIL. Ministério da Educação/SEED. Referenciais de Qualidade para a Educação Superior a Distância. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf. Último acesso em 25 de junho de 2014.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm> Acesso em:25 junho 2014.

BRASIL. Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007. Consolidada em 29 de dezembro de 2010. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2007.

BRASIL. Universidade Aberta do Brasil — UAB. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior — CAPES (Ed.). Sobre a UAB. [200-]. Disponível em: <http://uab.capes.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6&Itemid=18>. Acesso em: 07 fev. 2015.

CARNEIRO, Ana Paula Netto; GOEDERT, Lidiane. Tutoria no CEAD: perfil e qualificação. In: PANDINI, Carmen Maria Cipriani et al. (Org). Práticas Pedagógicas na Educação a Distância: reflexões, experiências e processos. Florianópolis: UDESC, 2015.

CARVALHO, Ana Beatriz. Os Múltiplos Papéis do Professor em Educação a Distância: Uma Abordagem Centrada na Aprendizagem In: 18°Encontro de Pesquisa Educacional do Norte e Nordeste – EPENN. Maceió, 2007.

CNE — CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Texto orientador para a audiência pública sobre Educação a Distância. Brasília – DF: Comissão da Câmara de Educação Superior. Outubro de 2014. Disponível em: <http://www.ampesc.org.br/_arquivos/download/1414781687.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.

CNE — CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES Nº: 564/2015 – Dispõe sobre as Diretrizes e Normas Nacionais para a oferta de Programas e Cursos de Educação Superior na Modalidade a Distância. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: <http://www.sead.ufba.br/sites/sead.ufba.br/files/parecer_cne_ces_564_15.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.

CUNHA, Fabrício Oscar da; SILVA, Júlia Marques Carvalho. Análise das Dimensões Afetivas do Tutor em Turmas de EaD no Ambiente Virtual Moodle. XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Florianópolis - SC – 2009. Disponível em: <http://www.niee.ufrgs.br/eventos/SBIE/2009/conteudo/artigos/completos/61986_1.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2016.

DOURADO, L.F; SANTOS, C.A. A Educação a Distância no contexto atual e o PNE 2011-2020: avaliação e perspectivas. Goiânia: editora: UFG; Belo Horizonte: Editora autêntica, 2012.

DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação superior a distância: novos marcos regulatórios?. Educ. Soc. [online]. 2008, vol.29, n. 104, pp. 891-917. ISSN 0101-7330. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302008000300012.

DOURADO, Luiz Fernandes. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educação & Sociedade. Campinas: , Cedes, v. 23, n. 80, setembro/2002.

FILATRO, Andrea. Design Instrucional na Prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

FRAGA, Bruna Devens et al. CAPITAL INTELECTUAL E POLO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO. In: KNOWLEDGE MANAGEMENT BRASIL 2014 - 12° CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO, 12., 2014, Florianópolis. Anais... . Florianópolis: Km Brasil, 2014. v. 1, p. 1 - 10. Disponível em: <http://www.kmbrasil.com/anais/arquivos/trabalhos/60.pdf>. Acesso em 14 mar. 2016.

GONTIJO, Cynthia Rúbia Braga. Do quadro às telas: caminhos pedagógicos da EaD na Universidade do Estado de Minas Gerais. In: SOUSA, Antonio Heronaldo de et al. (Orgs.). Práticas de EaD nas Universidades Estaduais e Municipais do Brasil: cenários, experiências e reflexões. Florianópolis: UDESC, 2015.

HACK, Josias Ricardo. Introdução à educação a distância. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2011.

HACKMAYER, Michelle Brust; BOHADANA, Estrella. Indagações acerca do cotidiano do tutor na Educação a Distância. In: ROSADO, Luiz Alexandre da Silva et al (Org.). Educação e tecnologia: parcerias 3.0 [livro eletrônico]. Rio de Janeiro: Editora Universidade Estácio de Sá, 2014.

LENZI, Greicy Kelli Spanhol. Framework para o compartilhamento do conhecimento na gestão de tutoria de cursos de educação a distância.2014. 304 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: <http://btd.egc.ufsc.br/wp-content/uploads/2015/04/Greicy-Kelli-Spanhol-Lenzi.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2016.

LIMA, Daniela C.B.P. Documento técnico contendo estudo analítico das diretrizes, regulamentações, padrões de qualidade/regulação da EAD, com vistas a identificar políticas e indicadores de expansão da Educação Superior em EAD. Brasilia: CNE, 2014.

LITTO, Fredric; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

MALLMAN, Elena Maria et al. Fluência Tecnológica Na Prática De Tutores No Moodle . IX ANPED SUL - Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. Caxias do Sul. 2012. Anais ... Disponível em: <http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2012/Educacao_Comunicacao_e_Tecnologias/Trabalho/06_05_58_203-7516-1-PB.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2016.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN,J.M.;MASETTO M.T.; BEHRENS, M.A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 2008.p.141-171.

MATTAR, João. Tutoria e interação em educação a distância. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

MILL, D.; OLIVEIRA, Márcia Rozenfeld Gomes de; RIBEIRO, Luis Roberto de Camargo. Múltiplos enfoques sobre a polidocência na Educação a Distância virtual. In: Polidocência na educação a distância: múltiplos enfoques. São Paulo: EdUFSCar, 2010, p. 13-22.

MILL, Daniel. Docência Virtual: uma visão crítica. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a Distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a Distância: sistemas de aprendizagem online. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

MORAN, José Manuel. "O que é educação a distância. 2002." Disponível em: <http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/dist.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2016.

NUNES, Ivonio Barros. A história da EaD no mundo. In: LITTO, Fredric; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). Educação a Distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

OLIVEIRA, Elsa Guimarães. Aula virtual e presencial: são rivais? In: Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008. p. 187-223.

OLIVEIRA, Carmen Lúcia de Araújo Paiva; LIMA, João Geraldo de Oliveira. TUTORIA ONLINE NO PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. Debates em Educação. vol. 1, n. 1 Jan./Jun. 2009. Disponível em: <www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/download/33/27>. Acesso em 20 mar. 2016.

PAVEZI, Adriana Maria, et al. O uso das ferramentas do ambiente virtual de aprendizagem pelos acadêmicos dos cursos de administração e processos gerenciais do NEAD-CESUMAR. In: Congresso da Associação Brasileira de Educação a Distância, Manaus. Anais… 2011. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/269.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2016.

QUARTIERO, Elisa M.; GOMES, Nilza Godoy; CERNY, Roseli Zen. Introdução à Educação a Distância. Florianópolis: UFSC/EAD/CED/CFM, 2005.

RIBEIRO, Elvia Nunes; MENDONÇA Gilda A de A.; MENDONÇA, Alzino Furtado. A importância dos ambientes virtuais de aprendizagem na busca de novos domínios da EAD. In: Congresso da Associação Brasileira de Educação a Distância, Goiás. Anais… 2007. Disponível em: <http://www. abed. org. br/congresso2007/tc/4162007104526am. Pdf>. Acesso em: 23 mar. 2016.

ROESLER, Jucimara; BATTISTI DE SOUZA, Alba Regina; SARTORI, Ademilde. Mediação pedagógica na educação a distância: entre enunciados teóricos e práticas construídas, Revista Diálogo Educacional, 2008, 8 (MaIo-Agosto). Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=189116834002>. Acesso em 21 mar. 2016.

SANTOS, Catarina de Almeida. A expansão da educação superior rumo à expansão do capital: interfaces com a educação a distância no Brasil, 2008. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-25092009-163728/pt-br.php. Acesso em novembro de 2010.

SANTOS, Catarina de Almeida. As políticas de formação de professores na modalidade a distância no Brasil – uma orientação mundializada, Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia. 2002.

SARTORI, Ademilde; ROESLER, Jucimara. Educação Superior a Distância: gestão da aprendizagem e da produção de materiais didáticos. Tubarão: Editora Unisul, 2005.

SILVA, E.R.G; RIBAS, J.C.C.; MOREIRA, B.C.M.; BATTISTI, P.; PEREIRA, A.T.C. Gestão de polo de apoio presencia no sistema Universidade Aberta do Brasil: construindo referenciais de qualidade. Renote, v. 8, n. 3, 2010. Disponivel em: <http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/18086>. Acesso em 12 fev. 2016

ZUIN, Antonio A. S.. Educação a distância ou educação distante? O Programa Universidade Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 935-954, out. 2006

Ficha Técnica

Este material foi elaborado pelos professores e pela equipe pedagógica e de materiais didáticos do Cerfead.

[ Conteúdo ]

Carlos Alberto Mello

Sabrina Bleicher

Giovana Schuelter


[ Design instrucional ]

Maria Luisa Hilleshein de Souza

Maria da Glória Silva e Silva

Vanessa Martinelli Oro


[ Revisão textual ]

Vanessa Martinelli Oro


[ Design gráfico ]

Daniel Mazon da Silva